Crítica: Chicago (4×5), de The Handmaid’s Tale

por Bia Amaral
19/05/2021
Comentários 1

Chegamos à resenha de Chicago, episódio 5 da 4ª temporada de The Handmaid’s Tale: um capítulo de reviravoltas surpreendentes e conflitos geopolíticos bem explorados.

Mergulhamos mais a fundo na realidade de Chicago com June e Janine saindo em missão comercial com seus novos companheiros rebeldes. Mesmo recém-chegadas a aquela célula, o líder Steven permite que elas participem das trocas que são feitas em um antigo museu. O único item que elas têm para trocar são suas roupas de Aias, o que espero que seja um sinal de que não voltarão para a realidade passada. Ao contrário de Janine, que não olha duas vezes para as vestes vermelhas enquanto troca por um boné do Chicago Cubs, June observa a representação de uma outra vida sendo passada para outras mãos.

Em busca de qualquer simbolismo sobre o Chicago Cubs, time que estampa o boné que June usa durante o episódio, descobri que o time passou 108 anos sem vencer a Major League Baseball, principal campeonato do esporte nos Estados Unidos. Será que a Maldição de Billy Goat representa também o tempo que a gente espera as personagens vencerem na série?

Mas, falando sério, sobre o boné do Chicago Cubs, acabei descobrindo que a Elisabeth Moss é uma grande torcedora do time. Chegando até a lançar a primeira bola de um jogo na época em que ela fazia a série Mad Men:

Voltando para o episódio 5, ainda em Chicago, há a introdução de um novo grupo, os Nighthawks. Steve conta para June e Janine sobre eles e diz que June gostaria de conhecê-los, pois são impiedosos e não sentem medo de matar ou de morrer. Resta saber se haverá algo mais sobre essa interessante união rebelde.

No campo geopolítico, Lawrence tenta convencer o conselho de Comandantes a propor um cessar fogo nas zonas de guerra dentro de Gilead. O país está sofrendo sanções e fazer uma trégua e permitir que ajuda internacional entre no país pode melhorar as relações internacionais. A sua proposta não é aceita, mas o que corre nos bastidores vai mudar esta realidade.

Tia Lydia mais uma vez é castigada por outra fuga das Aias sob sua responsabilidade. Desta vez, ela é jogada para uma aposentadoria forçada. Só não contavam que, sendo a dona das informações dentro de Gilead, ela conseguiria formar uma aliança com o Comandante Lawrence boa apenas para os dois. Lembrando que Tia Lydia valoriza tanto o seu lugar como líder de tortura das mulheres, pois assim ela tem muito controle sobre as famílias e também sobre as informações.

Como o Comandante Nick deixou o Comandante Lawrence na mão na primeira votação e agora Lawrence consegue mexer os pauzinhos para que o conselho acate sua recomendação, ele decide atingir Nick. Mandar um bombardeio antes do cessar fogo, vai fazer com que Nick precise movimentar rápido os seus soldados que estão nas áreas de conflito. A atitude também vai funcionar como punição, pois ele descobre com uma Martha que June está na área de Chicago.

O teaser da quarta temporada estraga um pouco a experiência da suposta separação de June e Janine, uma indo procurar os Nighthawkes e a outra ficando para reconstruir uma vida com o Steven. A gente já sabia que elas iam correr das bombas juntas. Mas a Moira chegando na equipe de resgate e encontrando June, em meio a destroços ao som de um cover de Fix You do Coldplay, foi de aquecer qualquer coração.

Onde está Janine? Façam suas apostas!

Gostou da nossa resenha? Visite o YouTube para ver outras análises:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *